The Gold

The Gold

Ouro o metal perfeito

O ouro tem sido usado desde os tempos antigos como símbolo de poder, sucesso, realeza... É puro, valioso, resistente, imortal. Sua sedução eterna fascinou todas as culturas que povoaram a terra. Utilizado como adorno, complemento, pomada, elixir, perfume e alimento, suas propriedades o tornam um verdadeiro tesouro. O ouro é considerado o metal mais precioso e o mais perfeito. É o metal mais dúctil e maleável que existe. É pouco reativo e não é afetado pela água, calor, ar, nem pela maioria dos solventes conhecidos. Sua alta resistência à ferrugem e à corrosão lhe conferem a denominação de metal nobre; denominação essa que compartilha com a prata, cobre, mercúrio entre outros. Essa é uma das razões pela qual a cultura sempre cobiçou o ouro. Por causa do seu brilho, valor, pureza e simbolismo. O ouro é retirado das profundezas da terra. Esse metal precioso absorve a energia e vitalidade do sol. A reação singular entre o ouro e o corpo humano já era conhecida no Egito e na Índia, onde os habitantes adicionavam esse metal à sua louça, pois acreditavam que comer ouro poderia lhes proporcionar boa sorte e bem-estar. O povo chinês considerava o ouro como um remédio que poderia conceder vida longa ou até mesmo a imortalidade. Esse metal era cobiçado por toda parte, principalmente no extremo Oriente onde, além de ser usado como moeda, era usado como remédio e comida, para isso o metal brilhante era "borrifado" na comida. Também se acreditava que, quando usado na pele, o ouro conferia juventude e potência sexual. Além de todo o simbolismo e benefícios que esse metal precioso poderia proporcionar, fica claro que hoje em dia o ouro é de um valor crescente, certo, duradouro e desejado.
Na Alimentação

Ouro o metal perfeito

Algumas culturas usavam usavam o ouro não apenas pelo seu brilho e pureza, mas também por seu significado na alimentação. Ou seja, o ato simbólico de ingerir um material precioso.
Já no antigo Egito se fabricava pães de forma cônica que continha ouro em pó, ao que se outorgavam um importante significado religioso.
Dentre os hebreus, encontramos em documentos, como a Bíblia a existência de uma espécie de pão chamado maná, ao que parece ser uma herança egípcia ao povo de Israel. Conta a história que o maná foi confeccionado em uma ocasião por um ferreiro, seguindo as instruções de Moisés. O pão era fabricado com ouro triturado e reduzido a pó.

Outra parte sobre o consumo de pães com ouro aparece no Talmud, onde se narra a chegada de Alexandre magno a Jerusalém, quando teria sido recebido em uma aldeia, com pães que continham copos de ouro.

Esse metal foi usado em todas as partes, sobretudo no Oriente, onde além de usá-lo como moeda se usava também como remédio e alimento para tal efeito, o brilhante metal era polvilhado sobre as comidas. Igualmente, se acreditava que ao portá-lo sobre a pele, o ouro conferia juventude e potência sexual.

Já durante o século XVI, a nobreza italiana empregava o ouro comestível em risotos. Os elisabetanos comiam doces e frutas cobertos com ouro, enquanto os japoneses o utilizavam nos saquês e chás para uma vida próspera e mais longa.

O ouro comestível também é usado na indústria cosmética, como máscara facial, tatuagem para pele e unhas.

Ouro o metal perfeito

O Fascínio do Ouro

O ouro é inalterável, não oxidante, é o metal perfeito. Seu único limite é a imaginação

Ouro Comestível

O Ouro é utilizado há séculos na alimentação